FPA divulga nota de apoio às decisões do Conama

30/09/2020

Foto: Reprodução/FPA

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) divulgou nesta terça-feira, 29, uma nota oficial em apoio às decisões do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), revogando duas resoluções que delimitavam faixas de proteção permanente em áreas de vegetação do litoral brasileiro e ao redor de represas.

Após a decisão do conselho receber diversas críticas de ambientalistas, a FPA esclareceu que o Código Florestal garante a preservação nessas áreas. “As restingas e manguezais não deixaram de ser protegidos, pelo contrário, o Código Florestal diz que a proteção deve ser realizada por Estados, que detém competência local para tomada de decisão. As normas do Conama não são compatíveis com o Código Florestal, de 2012. Além disso, um conselho não pode ser responsável por legislar ou competir com a legislação federal”

O posicionamento vai ao encontro do que foi dito pelo presidente do Ibama, Eduardo Bim, que caso da proteção às restingas, chamou de ?ficção? a aplicação de um critério de faixa em metros e acrescentou que a legislação continua a proteger as áreas cuja função seja a fixação de dunas. ?Essa proteção se mantém no Código [Florestal]?, afirmou.

Confira, na íntegra, a nota da FPA, assinada por Alceu Moreira, presidente da entidade:

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) acompanhou incrédula as notícias sobre as revogações feitas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Defendemos a aplicação do Código Florestal, Lei 12.651/2012, em vigor atualmente e responsável por regulamentar as Áreas de Proteção Permanente (APP) e demais questões ambientais.

As restingas e manguezais não deixaram de ser protegidos, pelo contrário, o Código Florestal diz que a proteção deve ser realizada por Estados, que detém competência local para tomada de decisão. As normas do Conama não são compatíveis com o Código Florestal, de 2012. Além disso, um conselho não pode ser responsável por legislar ou competir com a legislação federal.

Desta forma, esclarecemos:

1. As Resoluções 302 e 303/2016 revogadas, estão previstas no Código Florestal (Art. 4º, § 1º; Art. 8º, respectivamente), ou seja, as restingas e manguezais permanecem consideradas Áreas de Proteção Permanente;

2. Sobre a Resolução 284/2001, é importante compreender que a irrigação não é um estabelecimento ou atividade, mas uma tecnologia utilizada pela agricultura para o fornecimento de água às plantas em quantidade suficiente e no momento certo. Portanto, sob o aspecto técnico, a resolução foge às atribuições do Conama como órgão consultivo do Ministério do Meio Ambiente (MMA). A atividade de irrigação já é regulamentada segundo a Lei nº 9.433/1997, da Agência Nacional de Águas (ANA).

Mais uma vez, chamamos a atenção para a responsabilidade da mídia no processo de comunicação com a sociedade. É necessário que possamos checar e apurar fatos para seguir com o compromisso social de informar.

CATEGORIAS:

TAGS:

FONTE: https://www.canalrural.com.br/noticias/fpa-divulga-nota-de-apoio-as-decisoes-do-conama/

Contato